loading

Conhecimento: Comunitas lança trilha formativa em ciências comportamentais aplicadas às políticas públicas com aula especial

A aula foi realizada pelo professor e fundador da Cloo, parceira da Comunitas para a realização da nova trilha formativa, Carlos Mauro, que abordou o contexto histórico e aplicação prática das ciências comportamentais 

A imagem mostra um homem careca e barbudo sentado, falando. Atrás dele, vemos uma estante cheia de livros

Crédito da Imagem: Acervo Comunitas

Na tarde de ontem (09), a Comunitas deu início, oficialmente, à trilha de conhecimento  “Como aplicar ciências comportamentais em políticas públicas”. Mais de sessenta pessoas de diversas cidades do Brasil assistiram à aula inaugural ministrada pelo especialista em políticas públicas comportamentais e fundador da Cloo Behavioral Insights Unit, Carlos Mauro.

O objetivo da aula foi introduzir o conceito das ciências comportamentais, trazendo exemplos de aplicações em políticas públicas. Ao finalizar a trilha, espera-se que gestores públicos possam implementar incentivos que funcionem como “empurrõezinhos” positivos que encorajem uma melhor tomada de decisão por parte da população em momentos cruciais, contribuindo para o bem comum e maior efetividade das políticas públicas.

O professor Carlos explicou os conteúdos que os gestores inscritos vão encontrar na trilha formativa, citando que o curso tem a finalidade de transferir conhecimento para as pessoas que não sabem o que são as ciências comportamentais. “Essa trilha não é para especialistas e, aos poucos, com a participação de outros especialistas, vamos abrindo outros módulos. Mas a princípio, essa trilha é apenas o pontapé inicial para introduzir essa cultura das ciências comportamentais na gestão pública, mesmo que aos poucos”.

Dayane Reis, diretora de Comunicação, Conhecimento e Inovação da Comunitas destacou a presença dos gestores e o seu desejo em, por meio da melhoria da gestão pública, erguer um país melhor. “A gente está muito contente com o número de inscritos e vai lançar três módulos ao longo do tempo de duração da trilha de formação. Eu espero que todos aproveitem muito e, juntos, vamos conseguir construir o Brasil que a gente tanto quer”.

Se você não conseguiu acompanhar a aula inaugural, é possível acessar o hotsite de ciência comportamentais! O conteúdo ficará disponível  aqui.

Contexto histórico das ciências comportamentais

As ciências comportamentais foram iniciadas após a Segunda Guerra, mas nos anos 70, dois pesquisadores israelenses mostraram, de forma sistemática e robusta, que alguns pressupostos sobre o comportamento humano não eram corretos.

Em 2011, um livro foi publicado, de divulgação científica, que explica o funcionamento da cognição humana e como isso impacta no nosso comportamento. Em 2015, o Banco Mundial publicou seu relatório de desenvolvimento totalmente dedicado às ciências comportamentais, que impactou órgãos de importância mundial. Muitos governos no mundo foram criando suas próprias agências de ciências comportamentais, a exemplo do Reino Unido, EUA, Austrália e Nova Zelândia.

Exemplos práticos da aplicação das ciências comportamentais

Apesar de algumas controvérsias, que vão sempre ocorrer na comunidade científica, o que se constatou é que o processo cognitivo e de tomada de decisão dos indivíduos se baseia em uma espécie de sistema dual de pensamento, identificados como  Sistema 1 e  Sistema 2. O primeiro sistema recebe informações constantemente, que são processadas de maneira rápida, sendo mais intuitivo e econômico do ponto de vista fisiológico. Já o segundo, recebe menos informações e demora mais para processá-las. Portanto, é lento e deliberativo. 

Em sua apresentação, Carlos trouxe alguns exemplos práticos da aplicação das ciências comportamentais, citando o experimento promovido pelo governo americano para incentivar a população a economizar uma parte da restituição do imposto de renda. Para isso, foram enviados dois tipos de SMS para as pessoas questionando sobre o interesse das mesmas em poupar parte do dinheiro. A primeira mensagem, entretanto, avisava o cidadão que o valor a receber já estava disponível. A segunda, foi enviada um tempo antes do dinheiro ser disponibilizado. Enquanto 10% do grupo que recebeu a primeira mensagem escolheu economizar, 15% daqueles que receberam a segunda mensagem optaram pela poupança. “Apenas com uma mudança de poucas palavras e do período em que a mensagem foi enviada, o governo americano fez com que houvesse um aumento de 50% de pessoas que escolhiam poupar uma parte do imposto de renda”.

Ciências comportamentais para melhorar a vida em sociedade

Carlos também fez um alerta sobre o uso inadequado e antiético das ciências comportamentais por algumas organizações, que manipulam consumidores com o uso dos nudges. Para ele, essa ciência deve ser utilizada para a promoção do bem comum.

“Mas o nosso compromisso é que as ciências comportamentais podem e devem ser usadas para melhorar a vida em sociedade”- Professor Carlos Mauro

Quer saber mais sobre Ciências Comportamentais? Conheça o portal desenvolvido pela Comunitas com diversos conteúdos sobre a temática! 

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.